quarta-feira, 28 de julho de 2010

O ESTADO DA NAÇÃO

OS PERIGOS DA TIRANIA

As democracias são, tendencialmente, o suporte que garante a liberdade e valoriza a dimensão individual das pessoas. Mas os mecanismos urdidos pelos agentes da política caracterizam-se por uma manipulação sistemática dos direitos e liberdades fundamentais numa verdadeira sociedade democrática.
A maneira mais eficaz para levar os indivíduos à dependência e à servidão é criar mecanismos na sociedade que desresponsabilizem as pessoas de participarem no colectivo dessa sociedade. Há uma onde de regras geradas pelos políticos para facilitarem a vida aos preguiçosos e induzir os cidadãos a acreditarem que a vida se fundamenta no menor esforço e melhor proveito. Cada vez são mais os que deixaram de acreditar e os que vão engrossar o grupo dos irresponsáveis, que procuram viver segundo a lei do menor esforço. Os arautos desta forma de facilitismo sabem que a ignorância, a ociosidade e a burrice lhes garante uma brigada de miseráveis dependentes prontos a aceitar a humilhação e a obediência cega. Depois de domados, deixam de incomodar e de protestar!
Quando as pessoas são despojadas dos seus valores morais e éticos, desprovidas de livre arbítrio, o seu raciocínio é anulado e a liberdade individual pura e simplesmente foi eliminada. A destruição sistemática dos valores e das referências basilares da sociedade, os desequilíbrios sociais e a corrupção tendem a facilitar a vida aos egoístas e, consequentemente, criar fundamentalismos sem regras nem limites para atingir os fins.
É isso que os sistemas políticos actuais pretendem, para melhor dominarem os cidadãos que os elegem. Depois de gerarem o sentimento de impunidade, têm campo aberto para a tirania e para a repressão.
Perdidos os valores básicos que balizam uma sociedade bem estruturada no sentido da responsabilidade colectiva e da solidariedade social, fica o sentimento de que não há moral nem ética formal que resista à hegemonia das políticas coercivas e dominantes.
A proliferação de redes sociais, de fácil adesão na Internet, é um aliado dessas políticas de alienação massiva de pessoas, um caminho perigoso para desequilibrar o conceito de sociedade solidária. A tendência para criar muitos amigos virtuais, em todo o mundo, começa a iludir as pessoas na ideia de que essa rede social é sustentável como pertença a um grupo coeso e capaz de actuar nos momentos de solidão ou de carência de apoio. A realidade é que nunca devemos deixar de pensar que a solidariedade real só pode vir das pessoas que nos são próximas e queridas, que comungam dos nossos desejos, tristezas e alegrias. Enfim, que fazem parte de nós e comunicam connosco assiduamente.
É fundamental distinguir entre um meio de entretenimento na Internet, com grandes limitações em termos de conhecimento e convívio pessoal e o conceito da partilha de emoções e práticas sociais de grupos de proximidade. Se não soubermos usar os instrumentos para aperfeiçoar os nossos conhecimentos e valorizar o nosso raciocínio no sentido da afirmação individual, estará em risco a liberdade e de pouco nos vale reagir quando estivermos reféns dos tiranos.
Quando os políticos não respeitam os cidadãos que os elegem e pagam os impostos que lhes proporcionam abusivos proventos, é chegado o momento do protesto e da revolta concertada, única maneira de correr com os prevaricadores. As acções concertadas só são possíveis na convergência de ideias e tarefas organizadas em grupos.
Vejam o vídeo e pensem como é possível esta gente governar Portugal!
Joaquim Coelho- Temas de reflexão
.

video
...

1 comentário:

Sérgio O. Sá disse...

Texto sabiamente elaborado e de total oportunidade.
O seu autor sabe bem onde está e com o que e quem conta ou poce contar.
Eu subscrevia-o na íntegra.
S.O.S.